Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

La Bohemie

Meu rico manjerico.

- Vais aos Santos?

- Claro.

- E vais passá-los onde e com quem?

- Não faço ideia. Eu nunca faço ideia, mas em casa é que eu não fico.

- Então vens connosco.

 

Todos os anos a conversa é a mesma e os diálogos repetem-se. Nunca sei para onde vou e com quem vou, mas sei que vou. É a noite que eu mais gosto do ano. É a noite que eu mais espero do mês. Quando era miúda contava os meses até chegar a Junho, o mês das minhas frutas preferidas, dos churrascos, do fim das aulas, da Copa do Mundo, das tardes longas e noites quentes, o mês do aniversário do meu irmão. Sempre gostei da noite 12 e do dia 13 de Junho por causa das festas de aniversário do meu irmão. Havia sempre amigos. Havia sempre comida e bebidas. Havia sempre festa e brindes e alegria. Um dia saiu de casa e comecei a passar a noite de 12 agarrada à televisão para ver as Marchas Populares. Que seca, pensava. Eu queria era estar ali. Sonhava com o dia em que seria eu a completar 18 anos e vir morar para Lisboa. Ainda nem sabia o que era a noite dos Santos Populares e já sabia que era a noite mais gira do ano. Por isso vou sempre. Nunca sei para onde nem com quem, mas sei que vou. E não se esqueçam: os que se passa nos Santos fica nos Santos. 

 

 

 

«Oh meu rico manjerico

Arranja-me um homem bonito

Que me trate bem

E não me troque por uma do Harém»

 

Beijinhos, La Bohemie. 

1 comentário

comentar post