Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

La Bohemie

Gente pequenina num país ainda mais pequeno.

Esta história já aconteceu há alguns dias mas continua tão atravessada no estômago que ainda nem a digeri. Pois acontece que tinha combinado jantar com a minha irmã, mas a vontade de cozinhar era mísera. Sexta-feira, chuva e frio de inverno e nenhuma das duas queria ir buscar comida. Lembrei-me de encomendar sushi take-away. Sendo uma novidade para mim, liguei para três números e fiz o pedido ao primeiro que me atendeu. Pedido feito, registo efectuado e esperei. E esperei. E esperei. Mais de uma hora depois ligou-me o senhor que viria trazer-me a comida para confirmar a morada e pedir indicações específicas. Expliquei-lhe onde vivia e o diálogo foi mais ou menos assim:

 

- Boa noite senhora, eu já estou a caminho, mas pode explicar-me onde fica que eu não conheço muito bem a zona?

- (e eu expliquei)

- Isso é perto dos ciganos?

- Perdão? - confesso que não consegui evitar uma gargalhada com maravilhosa pergunta, mas na verdade até podia fazer sentido por uma questão de orientação. Eu vivo nas Olaias e numa das zonas das Olaias existe o Bairro Azul, conhecido pela sua vasta comunicada de ciganos e africanos - Não, não é nesse lado das Olaias, é o oposto.

- Então quando estiver perto, volto a ligar.

 

- Senhora, já estou na rotunda, agora é em qual das ruas?

- (e eu expliquei)

- Ahhh, mas nós não fazemos estas zonas de Lisboa porque têm ciganos.

- Desculpe? Como assim têm ciganos? Existem ciganos em todas as zonas de Lisboa.

- Pois, mas nós não entregamos porque os ciganos assaltam-nos.

- Então deviam ter-me dito isso ao telefone. Eu disse que vivia nas Olaias. Se não fazem entregas nas Olaias, tinham avisado logo ao telefone.

 

Confesso que desliguei o telefone com uma miscelânea de dúvidas e emoções. Primeiro pensei que só podia ser uma brincadeira, ninguém em seu perfeito juízo teria a ousadia de me dizer tal coisa ao telefone sem saber quem eu sou. E se eu fosse cigana, não me serviam a comida? E se vivessem ciganos no meu prédio? E se eu fosse cigana como é que reagiria assim que visse o senhor a entregar-me a comida? Mais, se o restaurante não faz entregas a ciganos, também os proíbe de entrar no restaurante? Isso é legal? E se eu dissesse ao senhor que também recusava que fosse um brasileiro a entregar-me a comida, como é que ele próprio se sentiria? De repente, aquela minha gargalhada inicial transformou-se numa enorme nuvem de raiva em vias de rebentar em lágrimas. Então vêm estes chineses, japoneses e brasileiros procurar trabalho e estabilidade no meu país e depois dizem que não servem a ciganos que só por acaso pertencem aqui? E esta mania de continuarmos a achar que só os ciganos, os africanos e os indianos é que assaltam começa a irritar. E que raio de lógica é esta de só servirem algumas zonas de Lisboa? Têm um mapa como os parquímetros com zona verde, amarela e vermelha? Não há ciganos em Campo de Ourique, é isso? Só entregam sushi aos médicos e doutores de Telheiras, é isso? Só os moradores da Lapa é que têm direito a sushi, é isso? Juro que por momentos tive vontade de me vestir como cigana e de dizer ao brasileiro que me entregou a comida que podia voltar para o país dele que este já está cheio de gente medíocre e não precisamos de mais. Gente pequenina num país ainda mais pequeno. 

 

Beijinhos, La Bohemie. 

1 comentário

comentar post