Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

La Bohemie

Como disse?

Se eu devo a vida da minha irmã a uma vasta equipa de médicos do hospital São José, devo a minha prestigiosa educação a senhora minha Mãe. Mas isto de sermos educados, prestáveis e cívicos parece ser cada vez mais raro. E preocupante. O problema é que dizemos o que nos apetece onde nos apetece sem pensarmos que todos nós temos um dever para com a sociedade: respeito. E bom-senso.

Ontem, enquanto a minha irmã descrevia os sintomas à enfermeira na sala de triagem do hospital São José, a mesma perguntou a uma colega quem estava no consultório do Otorrino. A resposta foi rápida e indolente, «É uma estúpida qualquer». Uma das enfermeiras respondeu à frente da paciente que a doutora que a iria observar era «uma estúpida qualquer». E eu pergunto: isto é normal? Primeiro, acho que nenhum doente sentir-se-á confiante por saber que vai ser visto por um «estúpido qualquer», principalmente numa altura em que o mais provável é estar com dores e vulnerável na esperança que o curem depressa. Segundo, nunca sabemos quem é o paciente e qual a probabilidade do mesmo conhecer o referido médico. E se fosse amigo? Ou parente? Ou se simplesmente fosse uma pessoa que, assim que chegasse ao consultório, comentasse com o médico o que acabara de ouvir? E terceiro, e mais grave, o respeito. Já não temos respeito seja por quem for. Achamo-nos sempre mais e melhores do que os outros. Sorrimos nos corredores e falamos mal nas salas. Os outros são sempre isto e aquilo. Os outros são umas bestas de nariz empinado e deviam ser exterminados da terra, que não fazem falta à nossa vidinha medíocre.

Infelizmente, tiveram azar. A minha irmã deve a vida precisamente à médica que a viu ontem. A minha irmã deve a vida a toda a equipa de otorrinolaringologia, oftalmologia e cardiologia do hospital São José que a salvou há uns anos. A minha irmã deve a vida a todas as pessoas que durante um mês respeitaram-na sem a conhecer, trataram-na como se fosse especial e fizeram de tudo para que não moresse, mesmo sendo apenas mais uma. Não vi as enfermeiras da sala de triagem, mas vi a médica que observou ontem a minha irmã, falei com ela e garanto-lhes que é tudo menos «uma estúpida qualquer». O respeito é muito bonito e este mundo está cheio de pessoas feias.

 

Beijinhos, La Bohemie.