Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

La Bohemie

O poder da essência.

Tenho uma infinita coleção de perfumes e, um pouco como os sapatos, acho que nunca são suficientes. Uns para usar no Verão, outros no Inverno, uns são mais indicados para usar de dia outros de noite - tudo tem a ver com a fragância. Tenho perfumes que usei toda uma vida e agora enjoam-me, outros que nunca pensei vir a gostar e hoje são os meus favoritos. Há perfumes que, por gostar tanto da fragância, tenho medo de os usar, não vá o frasco gastar-se em três tempos, há outros de que gosto tanto que era capaz de os pulverizar pela casa. Há perfumes que me conquistam só pelo frasco e há outros que, apesar de gostar, não combinam com a essência da minha pele. E este é, talvez, um dos maiores erros que as pessoas cometem, tanto homens como mulheres. Compramos um perfume porque o colega de trabalho usa, compramos um perfume porque vimos num qualquer anúncio de publicidade, compramos um perfume porque é representado pela Natalie Portman, compramos um perfume pelo frasco ou pelo cheiro mas não nos podemos deixar cair em tentação porque nem todas as fragâncias combinam com o odor da nossa pele. Um perfume pode cheirar bem em mim e ficar muito mal na minha irmã. Posso gostar muito de cheirar um Chanel Nº 5 na minha mãe e achá-lo muito forte no meu corpo. Há quem não goste de usar perfume, que acredite que lhe tire a identidade, que o importante é a essência e o odor natural do corpo, mas também há quem não consiga sair de casa sem umas borrifadelas, como se sentisse que falta algo, como se saísse de casa sem o relógio no pulso e perdesse a noção do tempo. Eu gosto muito de perfumes e, de todos os que tenho, sei onde os comprei, quem mos ofereceu, quando os recebi, os que gosto mais de usar em dias frios e os que me ficam melhor em dias quentes, os que uso no trabalho e aquele que uso num contro importante. Cada essência remete-me para um qualquer momento da minha vida e acredito que esse é o efeito mais poderoso de um perfume em mim, as memórias, as recordações, as imagens. Já deixei de usar alguns perfumes de que gostava muito porque me faziam lembrar um namorado antigo assim como cada vez que tomo banho com um gel de banho da Dove recordo-me dos dias de Verão passados no Algarve porque é o sabonete que a minha mãe usa. Gosto muito de perfumes e muitas vezes guardo o frasco porque é lindo, faço coleções de todos os tamanhos do mesmo perfume, mais o gel de corpo e o gel de duche. Acredito que um perfume, mais que a sua fragância ou imagem, conta uma história. Muitas histórias.

 

Neste momento, estes são os meus preferidos.

 

 

 

Beijinhos, La Bohemie.