Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

La Bohemie

Eu abomino os saldos.

Eu abomino saldos, oh se abomino. São os empurrões, as pessoas histéricas, as confusões nos provadores, as filas nas caixas, a roupa espalhada, os sapatos perdidos, os acessórios estragados. A sério, sempre que uma Zara deste país entra em saldos as pessoas ficam completamente estúpidas. Eu entendo que seja uma oportunidade única para muitas pessoas comprarem o que não conseguiram no início da estação, nem que isso as obrigue a comprar um par de sapatos dois números acima do seu mas, muito sinceramente, acho que alguém devia estudar estes casos de consumismo ridículo.

Eu sou a pessoa mais prática a ir às compras: vejo as colecções nos sites, aponto a referência e assim que entro na loja coloco-me na fila. Indico a referência e o tamanho que quero, confirmo se gosto, pago e vou-me embora. Mais simples do que isto só mesmo comprando online, mas eu já sei o que a casa gasta e gosto de ver as coisas ali à minha frente e confirmar se a cor é a mesma. Ah pois, que eu já tive muitos desgostos inconsoláveis - um vestido cor salmão é afinal cor pérola, umas calças cor tijolo são de repente grená e o azul marinho transforma-se em azul petróleo. Mas voltando aos saldos, eu não consigo passear pelas lojas e ver peça a peça, amontoar-me de roupa e correr para os provadores, por isso nunca tenho a vossa sorte de encontrar achados. Para mim os achados são sempre uma desilusão porque encontro sapatos números 39 e eu calço o 37, vestidos XXL e eu visto o XS, saias 38 e eu uso o 34. Os saldos nunca têm os meus tamanhos porque há sempre umas quaisquer lontras que acham por bem enfiarem-se num S quando deviam usar L e depois é a desgraceira que se vê nas ruas, com os micro calções e micro-qualquer-coisa que uma pessoa não consegue entender muito bem se aquilo é suposto ser uma saia ou uma top cai-cai. Por isso, digam todos ohhhh e tenham pena de mim.

No último fim-de-semana estive no Porto e, ao passarmos por uma loja linda (era capaz de ir viver para o Porto só por causa das lojas) um amigo disse-me «aquele vestido é a tua cara». E era. Todos nós o adorámos e eu pensei logo para comigo que devia ser uma pequena fortuna. Vestido comprido de seda, parte de baixo preta, em cima pérola e colar enorme dourado. Estou capaz de dizer que é dos vestidos mais bonitos que vi até hoje, pelo menos ainda o tenho a pairar na minha cabeça, mas assim que vi a etiqueta quase que gritei. «Então, é caro?», perguntou-me o Cadavez. «Qual caro, custa apenas 50 euros, mas é o L. Eu visto no máximo o S, estou desolada» Obrigaram-me a experimentar pelo sim, pelo não, mas nem levando-o à minha costureira me ficaria bem. Além de não o trazer, fiquei com a sensação de que não tenho peito, não tenho rabo, não tenho nada. Ainda me levaram à Rota do Chá onde me enchi de scones na esperança de voltar à loja e caber no vestido, mas nada feito. Os saldos são restos e os restos são tamanhos enormes. Não me calei o dia inteiro com a porcaria do vestido e vim para casa apenas com dois pares de óculos. Custavam 15 euros cada um, mas a senhora vendeu-me os dois por 20 euros, por isso vim com a sensação de que fui aos saldos sem regatear. E ainda me deu o contacto dela para uma parceria de vendas em Lisboa.

Este fim-de-semana fui a Tróia e ao regressar a Lisboa fui visitar o meu Shopping preferido, o Almada Fórum. Nem tentei os saldos, assim que escolhi os biquínis com promoções percebi logo que iria boiar em todos, por isso trouxe estes da nova colecção da Oysho e que vão ser usados assim que começarem as minhas férias para a semana.  

 

 

 

 

Beijinhos, La Bohemie.