Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

La Bohemie

Livros de Reclamações.

Mafalda - Boa noite, quero o Livro de Reclamações, por favor.

Gerente - Quer o Livro de Reclamações para quê, diga lá.

Mafalda - Para fazer uma reclamação, ora esta.

Gerente - Mas o que é que se passa?

Mafalda - O senhor é o gerente do espaço e sabe muito bem o que se passa. E eu quero apresentar uma reclamação.

Gerente - Mas a senhora acha que tem razão, é? Sente-se injustiçada?

Mafalda - Sim, acho injusto estarmos a pagar 50 euros a mais por causa de um erro vosso. E eu tenho o direito de pedir o Livro de Reclamações.

Gerente - A senhora tem todo o direito em reclamar, mas qual é a reclamação?

Mafalda - Oiça, não é a si que eu tenho de dar explicações. Traga-me o Livro que eu faço a reclamação por escrito. 

Zé - Oh Mafalda, deixa lá isso. Já paguei e pronto.

Mafalda - Deixo estar? Sempre que cá vimos temos problemas com este senhor e deixo estar? É um mal-educado com os clientes e eu estou farta.

Gerente - Ahhh, ainda por cima não gosta de mim, eu trago-lhe já o Livro de Reclamações!

Empregado - Peço-lhe que não faça a reclamação, por favor. A culpa foi minha e do meu colega e já está tudo resolvido.

Mafalda - Este assunto agora já não é consigo. Tentei resolver as coisas a bem e só se resolveu porque pagámos 50 euros a mais. Além disso, nem sequer vou apresentar queixa contra si, não se preocupe.

Gerente - Está aqui o Livro de Reclamações, mas tem de reclamar lá fora.

Mafalda - Importa-se de me largar o braço?

Gerente - As reclamações fazem-se na rua, não se fazem dentro do estabelecimento.

Mafalda - Na rua? E os espaços que não têm esplanada? E já lhe disse para me largar o braço.

Gerente - Sim, se quer apresentar queixa, é na rua.

Mafalda - Eu escrevo na rua, não se preocupe, mas é bom que me largue o braço ou eu chamo a polícia. Acho que está a abusar um bocadinho.

 

E depois do gerente ter atirado com o Livro de Reclamações para cima de uma mesa da esplanada, escrevi.

 

Gerente - Explique-me só uma coisa. Se a senhora não gosta de mim, porque cá vem?

Mafalda - Sempre que cá venho, o senhor arranja problemas com os seus clientes, mas eu não venho por sua causa. Sou vossa cliente há muito tempo e gosto muito deste espaço e hei-de continuar a vir. E agora enganei-me, como é que eu faço?

Gerente - Desenrasque-se. 

 

Passei-me completamente, fiz um risco de anulação na folha inteira e escrevi outra reclamção.

 

Pedro - Então, como é que isso está a correr?

Mafalda - Mal, muito mal.

Pedro - Mal está esse livro. Estás no fim, quer dizer que tudo isto são reclamações?

Mafalda - Se são...

Zé - Eu disse para deixares estar isso, foram só 50 euros.

Mafalda - Oh Zé, só 50 euros? Que burguês! Só porque temos dinheiro, achas que tudo se resolve a pagar? Estou muito desiludida contigo. Então tu que passas a vida a fazer críticas sociais e políticas, defendes os direitos do povo, que estes tipos são uns ladrões e agora dizes que foram só 50 euros depois de termos deixado 200? Até podia ter sido um cêntimo. Se não apresentares queixa, o dinheiro não resolve.

 

Há espaços que não merecem os gerentes que têm. E há gerentes que não merecem os clientes que deixaram de ter.

 

Beijinhos, La Bohemie.