Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

La Bohemie

Pronúncia do Norte.

Tenho ouvido dizer que a verdadeira amizade entre mulheres é impossível e dei comigo a pensar que devia escrever sobre as meninas do Norte. São muitas, mas únicas. São primas, irmãs e amigas. São a admirável força feminina. São a pronúncia do Norte. E foi essa mesma pronúncia que eu ouvi no dia em que cheguei ao Brasil, em Agosto de 2009. Mal sabia eu que ia dar de caras com três portugueses à porta do meu prédio. Mal sabia eu que me ia apaixonar por um deles e muito menos que viria a viver a mais bonita história de amor. Mas isso é tema para outro capítulo. O Pepe é irmão da Mary que é prima da Patita. São primos da Kininha que é irmã da DaniStar e primas da Neze e todas amigas da Beguinha e da Nini. Nunca as tinha visto mas as histórias que ele me contava embalavam-me numa viagem por esse mundo alquimista e os meus olhos brilhavam, como quem baloiça sobre as estrelas. Costumam dizer que as únicas famílias felizes são as que se conhecem mal, mas o Pedro mostrou-me que isso é a mais pura das mentiras. Falava-me delas com um orgulho culminável, um sorriso contagiante e um sentimento arrebatador. Falava-me delas e eu ouvia. Passei com elas muitos momentos mas só me lembro de alguns. E o primeiro é o que fica sempre na memória. Dia 8 de Janeiro de 2010, Guimarães. Uma noite fria, iluminada pelas luzes de Natal e sorrisos de uma família unida.  As primas, irmãs e amigas mostravam orgulhosas as novas cores de esmaltes que eu mesma escolhi com o Pedro no centro de Porto Alegre. Nunca esquecerei aquela felicidade que ainda  hoje me aquece a alma e aconchega o coração. Nessa mesma noite festejámos um aniversário, presenciámos uma serenata em memória de um amor que começou no outro lado do Oceano e celebrámos os laços de uma família que se conhece e é feliz. Apagámos as velas, brindámos com champanhe e dançámos no Sardinha Biba, em Braga. Voltei seis meses depois. Dia 24 de Julho de 2010, Guimarães. Uma tarde quente, decorada com jarrões de flores e pétalas de rosas. A Kininha vestia uma saia e um espartilho da coleção Wall Flowers, Figth Flowers, dos Storytailors e a Beguinha deslumbrava um vestido da Marc by Marc Jacobs e uns sapatos da Casadei. Mas o dia era da Neze, feita de um amor dócil e feliz, que se casou e traçou um novo caminho. E lá estavam elas, as primas, as irmãs e amigas que partilham uma vida feita de sonhos, desejos e histórias com príncipes encantados. "A sérioooo". Um grito de guerra feito de paz, pão com doce e corações de papel. Um grito que ainda hoje se faz ouvir por quem o conhece. Passámos juntas mais alguns momentos e em todos eles senti a verdadeira amizade que as une e constrói. Em todos eles senti que os avós, os pais, filhos, irmãos, tios e primos têm um grito de paz e um coração do tamanho do mundo. dizem que a união faz a força e elas são a maior resistência feminina que um dia conheci. E agora que penso nelas, lembro-me da sabedoria da Marta, a generosidade da Joana, a franqueza da Mary, a alegria da Danielle, a doçura da Inês, a simpatia da Vera e o sorriso da Ni e apetece-me escrever a cada uma  porque entraram na minha para nunca mais sairem. E por isso é que voltei outra e outras vezes, porque sempre me receberam de braços abertos e sorrisos sinceros, com a força feminina e a pronúncia do norte.  Este texto é para elas, porque ensinaram-me que a verdadeira amizade entre as mulheres é mesmo possível.

 

Mafalda S.

 

 

 

 

 

*As fotografias pertencem à Beguinha e à Kininha, autoras do Teamgunn´s Blog.

 

 

Beijinhos, La Bohemie.

24 comentários

comentar post

Pág. 1/3