Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

La Bohemie

As redes (anti)sociais.

Ou eu estou completamente deslocada de toda a realidade, ou anda tudo com os valores trocados, para não arriscar mesmo a escrever errados. Mas eu, que sou viciada em redes sociais e plataformas digitais, estou-me a marimbar para pessoas que levam a vida virtual mais a sério do que a pessoal.

Desculpem, mas não há paciência para pessoas que me vêm dizer «Ah, mas eu sigo-te no Twitter e tu não me segues», «Porquê? Por que deixaste de me seguir, o que é que eu fiz? Eu não merecia tanta falta de respeito» ou ainda «Então? Mas já não somos amigos tuitteiros? O que é que aconteceu? Sendo assim, toma lá unfollow para aprenderes, menina» E eu pergunto-me: a sério? É preciso tanto drama por causa de uma rede social? Mas nós conhecemo-nos de algum lado? Fomos amigos na escola? Namorámos e eu não me lembro? Esta história do "só te sigo, se me seguires, só faço reply se me fizeres reply, só faço retweet se me fizeres retweet" comigo não pega, nem despega. É-me indiferente porque é só triste, muito triste. É por estas e por outras que andam por aí miúdas a cortar os pulsos porque o Justin Bieber não lhes segue de volta no Twitter.

E quem menciona o Twitter, refere-se igualmente ao Facebook. Outro drama, outro terror, outro fim do mundo. «Mas já não somos amigos no Facebook outra vez? Que criancice...» Criancice? Oh meu amiguinho, criancice é tu ligares mais ao Facebook do que a tua vida pessoal. O que importa é ter dezenas de likes nas fotos porque assim sou fixe e cool. O que importa é que venham dezenas de miúdas comentar no meu mural que fico com o ego maior do que o Machu Picchu. Que me interessa a mim que vão fazer likes nas fotos que nem sequer gostam? Que me interessa a mim que vão lá coscuvilhar a minha vidinha se nem sequer se lembram de me ligar para irmos passear? Que me interessa a mim que tenhamos 56 amigos em comum quando eu nem sequer conheço as pessoas pessoalmente porque são contactos profissionais ou bloggers ou escolhas do diabo.

E o Instagram? Ui, o Instagram. Andei um mês a apagar 850 fotografias só por causa das coisas, só por causa de gente com a cabeça pequenina, pequenina. «Com que então não podias ir beber café, mas andaste a laurear a pevide com as tuas amigas em Alfama.» E então? É mentira? Eu não podia ir beber café porque fui precisamente laurear a pevide com a minhas amigas. «Ah e tal ias ficar em casa, mas publicaste no Instagram fotos não sei onde.» Pois, e fiquei em casa sim senhor, mas se fosses um bocadinho mais atento e menos otário, verias que nas fotos tenho o cabelo curto e que agora tenho o cabelo comprido, portanto são fotos antigas, não são da noite de ontem. Mas existe alguma regra no Instagram que nos obrigue a publicar fotos apenas no preciso momento em que as tirámos? Como é? Expliquem-me que eu começo a ficar um bocadinho perdida neste mundo de likes e follows.

É triste dizer isto, mas estas pessoas são tristes. Tristes e eu fico triste que se preocupem mais com o que eu publico nas redes sociais do que aquilo que eu tenho para dizer e partilhar pessoalmente. Vocês são só tristes! Unfollow.

 

Beijinhos, La Bohemie.