Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

La Bohemie

O vendedor ambulante do Cais do Sodré.

Vou ao Cais do Sodré todos os fins-de-semana, pelo menos quando fico por Lisboa. Desisti do Bairro Alto, muita gente, muita confusão, mais do mesmo, por isso, começo na Bica e termino no Cais do Sodré. E no Cais há sempre um vendedor ambulante, com óculos coloridos pendurados nas mãos, anéis cintilantes, patos que falam e todo um arsenal que dispenso comprar, mas gosto de observar. A sério, os monhés já são tão escurinhos que acho que lhes dá uma certa piada passearem-se de bar em bar enfeitados como uma Árvore de Natal. A maioria das vezes olho e ignoro, outras vezes até gosto de ficar ali a experimentar coisas como se estivesse verdadeiramente encantada numa loja da Victoria´s Secret. Eles gostam, eu divirto-me e os amigos riem-se. Até ao fim-de-semana passado. Estávamos todos à frente do Jamaica a conversar, quando apareceu o dito monhé a desfilar-se como se estivesse em pleno Carnaval. Estava bem disposta e para disfarçar o frio que se fazia sentir, meti-me com o senhor. Quis experimentar uns óculos amarelos maiores do que a minha cabeça e tentei fazer negócio, a brincar. Tudo a brincar. Disse-lhe que queria os óculos mas que os trocava pelo meu guarda-chuva verde. Ignorou-me. Tentei mais uma vez e uma vez mais, quando o senhor me disse «Ok, toma os óculos, eu fico com o chapéu.» Fiquei perplexa a olhar para ele, eu estava a brincar. Era tudo a brincar. Mas o senhor não foi em conversas, pendurou o chapéu no braço e foi-se embora. Não podia ser, era o meu guarda-chuva preferido, do Sardinha Biba, oferecido pela minha melhor amiga. Disse-lhe que era a brincar, mas ele ignorou-me «Troca é troca, tu óculos, eu chapéu.» Fiz uma birra descomunal, parvinha atrás do senhor, tudo a olhar para mim, os meus amigos a rir que nem uns perdidos e o senhor a gozar o seu momento. Ahhh, minha filha, armaste-te em espertinha, agora hás-de suplicar até eu querer...

O chapéu voltou para casa, mas eu nunca mais faço negócios com os vendedores ambulantes.

 

Beijinhos, La Bohemie.